segunda-feira, 4 de abril de 2011

Caniço pensante

Nunca me senti tão sábio quando descobri em mim a eterna ignorância de um rato.










Não existe maior metafísica da qual a do não saber.
Essa do não saber que não sei
Porque saber, saber mesmo, quem sabe?

E esse tal de ceticismo
Se por ventura, eu, deveras indagar tudo
Cá estou eu duvidando da minha suposta crença em nada.
Pois se em  nada acredito, cá estou acreditando.

Levem-me daqui os dogmas, pois tais são como os ovos desonerados chocados por galinhas mortas.

Contesto ter desaprendido um dia, que dantes nos meus graúdos sete anos não me dava habilitação, mas me levara conhecer a tal da terra do nunca.
Tão sábio, sabia eu que as estrelas eram minhas, sabia que de algum modo se outrem de meu amor mais profundo partisse, estaria ele guiando-me em forma de estrela.
Desculpem-me astrônomos, cientistas e toda essa gente de branco, mas não conheço ninguém
chamado Saturno.

Que quero eu saber de morte?
Não sei. Se tu sabes, guarde-a contigo.
Porque da minha morte cuido eu.

Que quero eu saber de viver?
Ah, não sei. Se tu sabes, leve-a contigo.
Porque se penso eu no mistério da morte, que tempo terei eu
para pensar nas peripécias da vida?
Para vivê-las?

Mas não me venham aqui com seus meios e fins
Meus meios são feitos de fins, e meus fins justificam sim os meus meios.
Estes mesmos olhos do futuro
São os mesmos  olhos do presente
Jazem os mesmos do passado.

O que eu sei do mortal?
Que sei eu do imortal?
Que tudo isso só vai nos tornar mais solitários que já somos.
Indagar, averiguar, devassar...

13 comentários:

  1. O não saber é angustiante. Nos sentimos em labirinto, onde o final não é encontrado mesmo.
    Sensacional tua metáfora!

    ResponderExcluir
  2. Essa saber que não sei, que nunca saberei, doce angustia das noites.

    ResponderExcluir
  3. Estudamos, tentamos aprender, mas não saberemos de tudo, nunca!
    Muito bom o texto, adorei!
    :)

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Da contestação parte a dúvida,da dúvida o começo do conhecimento interior.Belíssimo post.Parabéns!
    Se der espia A ENCRUZILHADA, pequeno conto.
    http://oficinamissoes.blogspot.com/2011/04/encruzilhada.html

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha lido seu blog.
    Muito bom!!

    Acho alguns versos essenciais:
    "Contesto ter desaprendido um dia, que dantes nos meus graúdos sete anos não me dava habilitação, mas me levara conhecer a tal da terra do nunca."
    "Meus meios são feitos de fins, e meus fins justificam sim os meus meios."
    Jogo de palavra,belo conteúdo,segurança.

    Brincar com a morte,nem o diabo pode,mas vc conseguiu

    acho que vai gostar do meu:
    http://euseocotidiano.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Genial.

    http://boomnaweb.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. As respostas que mais buscamos sempre ocultas, e sempre martelam em nossa cabeça várias possíveis respostas.

    Beijos!
    Taty!

    ResponderExcluir
  10. Oi, conhecendo o blog agora. Gostei bastante do texto... Muito bem feito.
    Tarsila

    ResponderExcluir
  11. mt maneiro, blog mt bom to seguindo *-*

    ResponderExcluir